Todo mundo odeia pair programming

Pair programming (ou programação pareada) é provavelmente a prática mais polêmica de extreme programming. É um dos poucos elementos de XP que tem seu valor questionado até por muitos desenvolvedores (além de gerentes e clientes). Provavelmente esta seja a razão para pair programming não ser tão praticada, ou utilizada apenas em doses homeopáticas (ainda mais considerando que pode ser utilizada mesmo sem XP ou algum método ágil). Porque existem pessoas em todos os papéis envolvidos no processo, que odeiam pair programming.

Quando um não quer, dois não fazem pair programming

Quando um não quer, dois não fazem pair programming

Muitas dessas pessoas conhecem as supostas vantagens de parear, mas torcem o nariz, mesmo que nunca tenha experimentado ou que tenham feito apenas uma tarde de experiência com o cara mais chato que conhecem no escritório. Mas na minha opinião, essa resistência não é criada por motivos muito nobres. Além do preconceito que já não é algo muito nobre, resolvi analisar algumas concepções erradas que as pessoas envolvidas tem sobre pair programming. Então venha comigo, de cabeça aberta.

Cliente

Se o cliente estiver contratando um serviço de desenvolvimento de sistemas, o problema provavelmente está no contrato. Muitos contratam esse tipo de serviço pagando pela hora dos desenvolvedores. Logo, quando ficam sabendo que em cada estação de trabalho vão trabalhar duas pessoas, já pensam que estão pagando o dobro do que deveriam pagar. Isso se resolve mudando o contrato para alguma outra forma que não envolva contagem de cabeças. Que aliás, sempre achei um jeito muito estranho de se vender este tipo de serviço, como se o número de pessoas (e não a qualidade) fosse determinante para o sucesso de um projeto. Vendendo a hora do desenvolvedor é como se você terceirizasse os riscos do seu RH e ainda lucrasse alguma coisa quando algum cara ruinzinho fosse contratado.

Se o que você está vendendo é justamente a consultoria para melhoria dos processos de desenvolvimento (o que provavelmente envolve pair programming), então você vai ter que vender todos os benefícios dessa prática. Para isto talvez o resto deste post ou outras referências te ajudem.

Gerente

Para o gerente, provavelmente a maior objeção é a questão da produtividade. Se formos cronometrar o tempo que uma dupla leva desde o começo até a entrega de uma tarefa, muito dificilmente os programadores pareados terão mais que o dobro da velocidade de dois programadores sozinhos. O problema de medir a produtividade desse jeito é que ela não leva em consideração a qualidade do que foi produzido e nem a transferência de informação e conhecimento que acontece durante pair programming. De qualquer jeito, medir produtividade desse jeito seria muito simplista. Em engenharia de software, uma gambiarra pode te fazer terminar muito rápido uma tarefa, mas mais para frente a equipe ter uma dor de cabeça de manutenção e gastar muitas horas resolvendo a gambiarra.

Falando em gambiarras, esta é uma das coisas que se pode evitar com pair programming. Com um co-piloto te vigiando, é muito menos provável que o desenvolvedor aposte numa solução rápida mas feia, porque afinal ninguém quer passar imagem de ser desleixado. Por outro lado, ter um co-piloto também evita que o seu super-mega-engenheiro que gosta de comer design patterns no café da manhã crie uma solução super complicada só porque é mais bonita, já que ninguém está olhando (e que depois ninguém vai entender ou vão gastar um tempão desfazendo). Tanto a gambiarra quanto o over-engineering podem custar muito em manutenção nas próximas iterações.

E por último, mas não menos importante, pair programming é a forma mais orgânica de disseminar informações sobre o projeto, compartilhar conhecimento e formar a cultura de um time. É como se você tivesse coaching, treinamento, revisão de código, brainstorm e mini-reuniões o tempo todo, sem precisar parar a codificação. Se você faz rodízio dos pares muito dificilmente precisará se preocupar se seu programador McGyver sumir, porque provavelmente mais de um programador conhece aquele código. Sem falar na disseminação de boas práticas, truques e macetes específicos a bibliotecas e frameworks que só poucos conhecem. Essa dinâmica de trabalho também permite criar um processo de admissão de novos desenvolvedores muito mais realista. Algumas empresas colocam os candidatos para parear com programadores da empresa para sentir se aquele candidato se encaixa na equipe (avaliando tanto o perfil técnico quanto a compatibilidade da personalidade da pessoa com a equipe já existente).

Existem muitos que se empolgam com extreme programming e correm para aplicar, e que na verdade gostam mesmo é da promessa de que não vão precisar produzir pilhas de documentação, passar meses tentando adivinhar como deveria ser o design do sistema. Mas muitos desses caras aplicam XP deixando de fora coisas como pair programming (para não desperdiçar contagem de cabeças). É aí que a qualidade começa a cair, porque as duas principais formas de comunicação na equipe (documentação e pais programming) foram abolidas. Sem comunicação em uma equipe, você sabe o que acontece.

Desenvolvedor

Aqui eu vou assumir que estamos falando de um desenvolvedor que seja honesto e esteja compromissado com a equipe e com a qualidade do projeto. Por isso nem vou falar do carinha que preferia trabalhar sozinho só para poder ter mais tempo ao MSN, Twitter e Orkut e nem do programador que não está nem aí para a qualidade do que produz e só está preocupado em receber o salário e bater ponto. Esses não tem muita razão para gostar de pair programming (talvez não tenham razão nem para estarem empregados).

Mesmo para as pessoas honestas e esforçadas algumas das razões para odiar pair programming não são ditas em voz alta. Uma delas está relacionada ao ego, esta parte tão sensível de tantos programadores. Nisso se encaixam os dois extremos, tanto o cara que não confia muito no próprio taco e fica se perguntando se deveria refatorar tudo o que faz, quanto o programador rock star que tem muita experiência e se imagina capaz de escrever um software que faça seu trabalho. O primeiro vai preferir trabalhar sozinho para não ficar exposto ao julgamento de outra pessoa e o segundo por sentir que não precisa de ajuda e na verdade seu par só vai retardá-lo. Ambos seguem um raciocínio que ignora o fato de que um dos objetivos de pair programming é equilibrar a troca de experiências e de informações. O inexperiente aprende algo e o super experiente ajuda o time a se tornar melhor. Pair programming é um exercício de humildade.

Não quero ninguém me desacelerando no meu trabalho diário de SER FODA!

Não quero ninguém atrapalhando meu trabalho diário de SER FODA!

Provavelmente o fato dos desenvolvedores estarem confortáveis com a forma de trabalho atual seja a maior barreira para adoção de pair programming. Claro, você poder ficar no seu canto e fazer as coisas do seu jeito, no seu tempo é muito agradável. Também acharia super agradável trabalhar na praia, sem computador nenhum e podendo dormir o quanto eu quisesse. A grande questão é o quanto a predominância desse trabalho individual ajuda o trabalho em equipe, principalmente quando falamos de comunicação. Claro que a adoção de trabalhos em pares não significa que as pessoas não possam ter seus momentos de trabalho solitário, que em alguns casos são necessários (coisas que necessitem de muita concentração, como uma leitura por exemplo).

Talvez como complemento você se interesse por ler o excelente post de Obie Fernandez sobre o assunto “10 reasons pair programming is not for the masses” (em inglês), que apesar do nome é uma defesa da prática. Esse post foi escrito logo após o New York Times publicar uma matéria sobre o tema: “For Writing Software, a Buddy System“.

6 Respostas para “Todo mundo odeia pair programming

  1. É muito difícil juntar dois egos, principalmente quando um deles (ou os dois) estão inchados.
    Apesar da pouca experiência com Programação em Par, gostei bastante, porem como você disse é preciso ter humildade.

  2. Cara… achei super interessante teu artigo! É uma coisa que não daria para utilizar na empresa onde eu trabalho, pois eu sou estagiário de programação e só tem eu aqui, então não teria como utilizar essa prática, mas andei lendo sobre o XP e é uma boa metodologia para programação e essa parte de programação em par é muito interessante, até pela troca de informação! E achei o artigo muito interessante e acho que sim, a troca de informações deve ser muito eficaz para o crescimento da equipe. Valeu cara

  3. Pingback: Tweets that mention Todo mundo odeia pair programming « TI SIMPLES -- Topsy.com

  4. Excelente post! Agora, me pergunto se existiria benefício em pair programming para elaborar scripts perl. =)

  5. Tem como fazer pair programming com quem trabalha à distância? Haveria alguma dificuldade ou se tornaria impraticável?

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s